27 a 29 de setembro de 2016
Jataí - GO
UFG - Câmpus Cidade Universitária
ISSN 21781281
Você está em: 
Lançamentos de Livros
ImprimirImprimir     
 

Lançamentos de Livros

Livros serão lançados no V Congresso Internacional de História, no Dia 27/09, no Instituto Federal de Goiás

(Saguão do Auditório).

Segue abaixo a listagem dos títulos:

 

O Brasil pitoresco de Jean-Baptiste Debret
Ou Debret, artista-viajante

Thiago Costa 

O presente estudo propõe uma investigação da obra brasileira de Jean-Baptiste Debret na perspectiva do pitoresco. Ou seja, pretende-se detectar se e em que medida o amplo universo conceitual do pitoresco orientou a escolha de assuntos e a denição dos conjuntos de temas em suas aquarelas e, por esta via, contribuiu para a composição nal do seu monumental Voyage pittoresque et historique au Brésil, ou, na tradução ao português, Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. Não há dúvidas de que ao nomear sua obra com o título de Viagem pitoresca e histórica ao Brasil, Debret quis alinhar-se ao amplo universo dos viajantes, artistas e naturalistas, em trânsito pelo Brasil e pela América. No entanto, ao fazer referênci a esse gênero de publicação e, mais ainda, ao  tomá-lo como modelo para as suas representações de assuntos brasileiros, o pintor francês orientou- se por algumas ideias basilares do registro pictórico do mundo americano, logo, do pitoresco.

 

 Olhares sobre a Cidade - narrativas poeticas das cidadescontemporaneas (2 Ed.)

 Marcos Antonio de Menezes (2016)

Nesta segunda edição, o leitor tem a oportunidade de acompanhar, pela seleção criteriosa de Menezes, a leitura poética da urbe que esses autores (Baudelaire, Gógol, Poe, Engels, Ginsberg ) paradigmáticos fizeram em seu tempo, intrigados com a velocidade, as multidões, a inconstância das imagens. No cenário urbano recriado literariamente, criador e criatura se mesclam na medida em que o escritor está nas ruas, em meio à multidão, ele mesmo parte da multidão que observa e é observada. Nota-se pela plêiade de leitores da cidade moderna, do XIX, que esta adquire status de protagonista, deixando de ser apenas cenário fartamente descrito, como nas primeiras fases do Romantismo. O olhar do citadino não pode ficar impassível em meio ao turbilhão de imagens. Ora sente atração, ora repulsa pelo que o envolve no ambiente em constante mudança. As luzes, as ruas largas convidando à deambulação, o comércio e suas vitrines montras, a multidão em permanente deslocamento, a velocidade intrigam e instigam impressões literárias. Ler os textos sobre a urbe elaborados por grandes nomes da literatura mundial, como se propôs Menezes, requer erudição, a qual pode mesmo ser notada já na seleção coerente dos autores a serem cotejados. Na obra, o historiador visita Baudelaire, Gógol, Poe, Engels, Ginsberg, sempre os colocando em diálogo com a história e suas destacadas personagens. E o historiador parece ter adotado como método de abordagem a ideia de campo e de habitus, como também de capital (Pierre Bourdieu) para suas análises, posto que os autores e seus textos selecionados requereram, por sua riqueza e relevância, sondagem contextualizada por parte do historiador, a qual propicia ao leitor do presente livro a recriação em imagens da ambiência em que os escritores leram as suas cidades.

 

História - Cultura, sociedade e poder

Marcos Antonio de Menezes (2016)

O livro História, Cultura, Sociedade e Poder, organizado pelo historiador Marcos Antonio de Menezes, trata das reflexões em torno da história cultural e mais precisamente do impacto do conceito de representação na produção historiográfica brasileira. De forma geral, o livro problematiza o conceito a partir do diálogo com as experiências sociais, como as dos jovens mexicanos ou dos países de língua portuguesa na África, e com as linguagens, tais como a literatura e a música. Em seu conjunto, os textos que compõem essa obra se filiam ao campo epistemológico da história cultural, sobretudo com os conceitos de representação e práticas culturais tão caros à historiografia contemporânea. 

 

Patrimônio Cultural Plural

YUSSEF DAIBERT SALOMÃO DE CAMPOS (Organizador)

Belo Horizonte: Arraes Editores, 2015

 

A Retórica da Alteridade: Portugal e portugueses na historiografia brasileira

Luíra Fereire Monteiro

A presente obra tem como principal objetivo evidenciar o discurso dos historiadores brasileiros a respeito de Portugal e dos portugueses, no contexto da formação da sociedade brasileira, quando a presença portuguesa na América deu ensejo à constituição de variadas representações. A retórica da alteridade que buscamos identificar tomou como lastro as formas de identidade que os historiadores estabeleceram para o Brasil, fazendo de Portugal e seu povo importante ponto de inflexão nessa construção. As noções de Irmandade e Ambiguidade serviram como baliza para analisar as narrativas históricas, em suas diversas perspectivas, circunscritas à primeira centúria após a Independência, o que nos permitiu analisar os modos com que aqueles historiadores referenciavam os portugueses, no tempo real, daqueles existentes no tempo histórico, cristalizados nas fontes por eles utilizadas. No sentido de dar inteligibilidade aos diversos contextos aqui abordados, no qual estavam inseridos os historiadores elegidos, optamos por estruturar o presente texto em três distintos tempos, determinantes para compreensão das mudanças efetivadas na sociedade brasileira em sua formação.

 

 

A mansão Millard (Romance)

Patricky Field / Daniella Gomes

Studio 54 Editora

 

 

"Aluir a Palha, Ruir a Pilha" (Contos)

Hailton Correa

2015

Editora: Kelps

 

 

 

 

 

 


Desenvolvido por Dype Soluções